sexta-feira, 26 de outubro de 2007

LIT participa de ato operário e internacionalista da IT na Argentina

No dia 19/10, a versão em espanhol do portal da LIT-QI divulgou a realização do ato de apresentação da IT - Izquierda de los Trabajadores como partido que estará participando do próximo processo eleitoral na Argentina com a consigna "una nueva alternativa para luchar contra Kristina". O ato ocorreu no dia 07 de outubro e contou com a presença de 500 pessoas incluindo Orlando Chirino da Venezuela, uma delegação da FOS e o companheiro Eduardo Almeida do PSTU.

O ato transformou-se em um grande marco pela reconstrução da unidade do movimento revolucionário latino-americano e em especial argentino.

Em sua intervenção, Edu afirmou que "Agora vivemos uma situação duplamente distinta. Distinta pela luta de classes, com grandes lutas e insurreições na América Latina. Distinta também porque a marca desta etapa, não é a da destruição da LIT e sim de sua reconstrução. Não existe maior homenagem ao velho Moreno, a 20 anos de sua morte, que assentar os cimentos da reconstrução da Internacional que foi o principal objetivo de sua vida. E existem vários sinais dessa reconstrução: a reintegração do CITO, a adesão do Partido da Alternativa Comunista da Itália, o crescimento do PSTU e da CONLUTAS. Porém é necessário falar abertamente entre os que estamos aqui: nenhuma reconstrução da LIT será completa se não avançamos no resgate histórico daquilo que foi nossa pior derrota: a destruição do MAS. A importância deste ato é que daqui se pode dar um sinal aos milhares de militantes do ex MAS que seguem nas lutas e defendendo a revolução socialista, de que algo diferente está acontecendo. Não acreditamos que a tarefa de reconstruir a LIT e a IV seja somente daqueles que hoje estão na LIT. É uma tarefa de todos aqueles que cremos em seu programa, em sua metodologia."

Leia aqui o artigo do FOS e a nota pública da IT sobre o ato.

Um comentário:

hermanito disse...

Apesar da tática eleitoral equivocada da IT, de se coligar com o MST de Vilma Ripoll (MST que defende Hugo Chavez, e que criou o tal discurso policlassista de "nova esquerda"), foi importante a participação do FOS no ato deles.

Nas eleições de domingo próximo, o FOS não apoiará Vilma Ripoll, e sim a candidatura classista de Jose Montes, do PTS, que conta com o apoio ainda do MAS e da IS (Izquierda Socialista).

Entretanto, como o artigo do FOS explica, seria totalmente errado deixar de aproximar revolucionários por causa de uma divergência de tática eleitoral.

Para os revolucionários, as eleições burguesas são exatamente isso: uma tática.

Por isso, é muito importante essa aproximação do FOS com IT, e tomara que após as eleições esse processo de diálogo avance também com a IS, com o MAS e com a CS.

Construir a unidade morenista na Argentina é uma tarefa transcendental no próximo período...