terça-feira, 28 de junho de 2011

O fanatismo homofóbico de Myriam Rios

Virou hit na internet o video do discurso da deputada estadual Myriam Rios na ALERJ destilando tamanho preconceito e ignorância que Malafaia e Bolsonaro se tornam meros aprendizes de homofóbicos diante da deputada católica.

O site Bule Voador editou o video da fala da deputada e postou no YouTube como uma resposta às barbaridades ditas por ela. Ei-lo:

domingo, 26 de junho de 2011

Mais fotos da parada gay em Fortaleza e da participação da CSP-Conlutas









Mais fotos da participação do PSTU e da Conlutas, assim como da própria parada gay em Fortaleza aqui.

Veja a fala da CSP-Conlutas na parada gay de Fortaleza



A parada gay da capital cearense, assim como a de São Paulo, também ocorreu neste domingo, dia 26/06, e a militância do PSTU se somou ao ato em conjunto com a CSP-Conlutas. No video, Flávio Bandeira, da CSP-Conlutas, que participou da organização do ato coordenado pelo GRAB (Grupo de Resistência Asa Branca), usa do microfone para exigir que Dilma faça aprovar o PL que criminaliza a homofobia.

* Arremesso clonado do blog PSTU Ceará.

Veja fotos do PSTU na parada gay de Fortaleza ocorrida neste domingo







Veja depoimento de Babi Borges, da secretaria LGBT do PSTU, durante a parada gay na Avenida Paulista

Relembrar Stonewall


O dia 28 de junho é uma daquelas datas que são verdadeiros marcos na história do movimento de massas organizado. Neste dia, no ano de 1969, mais uma entre tantas outras batidas policiais ocorreu no bar Stonewall Inn, em Nova Iorque, onde seus frequentadores, eram humilhados e sofriam violência policial. Mas naquele 28 de junho, a humilhação e a dor viraram resistência e deram origem a um confronto com a polícia que armou barricadas e tomou as ruas durante quatro dias seguidos. No ano seguinte, mais de 10 mil homossexuais marcharam pela cidade comemorando o primeiro aniversário da rebelião de Stonewal e desde então o dia 28 de junho entrou para a história dos que lutam por um mundo melhor, livre do preconceito e da opressão.

Hoje, quando a Avenida Paulista for tomada pelos que celebram a diversidade e os avanços na luta contra a homofobia, nós, os revoluiconários que estamos nas fileiras do PSTU, estaremos, seja na Paulista junto com a Conlutas, seja em qualquer lugar do país, relembrando o espírito de Stonewall e reafirmando que segue sendo necessário um movimento forte e organizado não só para resistir e afirmar, mas para derrotar toda forma de preconceito e construir um mundo novo, livre da opressão.

Leia no portal:

quinta-feira, 23 de junho de 2011

#JovelinaDasCruzes: Do meio da marcha da intolerância, surge símbolo em defesa da diversidade

É isso mesmo. De onde menos se poderia esperar surge uma senhora de 68 anos destoando das falas de preconceito e ódio ao próximo. Foi na décima nona edição da Marcha para Jesus onde, segundo os organizadores, 1 milhão de pessoas participaram alentadas pelos discuros de Silas Malafaia contra a união homoafetiva e a descriminalização da maconha. Enquanto a reportagem do portal IG entrevistava um jovem de 19 anos impregnado de preconceito religioso, a aposentada Jovelina das Cruzes se meteu na conversa e não deixou por menos. Segue o trecho final da matéria do IG:
"Quem defende o homossexualismo e a maconha está aqui a serviço de Satanás", disse o auxiliar de informática Natanael da Silva Santos, de 19 anos, que foi à marcha usando calça apertada, cinto de taxinhas e a tradicional franja emo. Enquanto a reportagem entrevistava os jovens, a aposentada Jovelina das Cruzes, de 68 anos, ouviu a conversa e fez uma intervenção. "Vocês estão falando sobre o que não conhecem. Meu sobrinho é gay e é um rapaz maravilhoso. Ótimo filho, muito educado, muito honesto e estudioso. Já o meu filho é machão e vive batendo na esposa, não respeita ninguém, não para no emprego."

Quando Jovelina virava as costas para continuar a marcha Natanael, que não se deu por vencido, fez uma observação. "Cuidado, tia. Se o pastor escuta a senhora falando uma coisa dessas ele não deixa mais a senhora entrar na igreja". E Jovelina respondeu. "Igreja é o que não falta por aí. Se me impedirem de ir em uma, vou em outra. Não tem problema."
Valeu Jovelina. Todos os que sonham e lutam por um mundo melhor são gratos por essa sua lição de respeito ao ser humano.

Que tal um pouco de "Rio Centro" para este fim de feriado?

O video a seguir é uma reportagem do Arquivo N da Globo News com imagens inéditas até então sobre o atentado de 30 de abril de 1981 no Rio Centro. Apesar de ser da Globo, grande cúmplice dos anos de chumbo pelos quais passamos, vale a pena dedicar alguns minutos para assiti-lo. Ei-lo:

Corpus Christi (charge)

Amarildo

terça-feira, 21 de junho de 2011

Você pode até não ter assistido o video dos 15 anos do jornal, mas o making of você vai ter que assistir.

O video dos 15 anos do Opinião Socialista está espetacular mas nada como um making off. :)



Parabéns a toda equipe de comunicação do partido, pelos 15 anos do jornal, pelo video de aniversário e é claro por este último video.

domingo, 19 de junho de 2011

"A sua homofobia mesmo quando desnatada, Walter, mata"

Pra quem não sabe, no começo de junho ocorreu uma reedição da marcha da família promovida pelo pastor Silas Malafaia contra a "ditadura gay" que se estaria construindo no país. Pra quem também não sabe, a marcha contou com a participação não só dos homofóbicos de sempre, mas também de figuras como o senador petista Walter Pinheiro. A carta a seguir, publicada no último dia 15/06 no portal paraiba.com.br, é o desabafo de um pai petista indignado com a postura do parlamentar de seu partido. Apesar dos termos que normalmente somos contra divulgar, até mesmo por conta do teor machista por trás deles, publicamos aqui a carta por nos solidarizarmos com a revolta deste pai.

De prcequinel@yahoo.com.br
Para pinheiro@senador.gov.br

Fiquei completamente puto dentro das calças quando li que você, um dos nossos melhores e mais formidáveis quadros, participou da imundície chamada Marcha da Família, que teve como um dos organizadores o pulha direitista e notório pastor homofóbico Silas Malafaia porque, que isso fique bem claramente assentado, organizadores e participantes da tal marcha não estavam ali para defender a família porra nenhuma: vocês todos reuniram-se para proclamar a mais abjeta e completa homofobia decorrente da religiosidade obtusa que vocês professam.

Não, prezado companheiro Walter, não perca seu precioso tempo com este velho militante sem importância tentando mostrar-me que você não é homofóbico porque, no máximo, e lamba os beiços, posso considerá-lo um homofóbico discreto, um homofóbico de baixos teores ou meio desnatado, que não é virulento como o patife do Silas Malafaia e outros sinistros deputadões e senadores que formam na definitivamente lamentável tropa do atraso que se reúne na chamada Frente Parlamentar Evangélica.

Tenho três filhos e o mais novo deles é gay, e eu o amo incondicionalmente. Ele tem 17 anos, é amoroso e inteligente, ótimo aluno (acabou de passar no vestibular da UFPR, sem ter concluído ainda o segundo grau), tem um talento especial para trabalhar coletivamente, escreve peças e é ator de teatro e, na recente tragédia que se abateu sobre nossa cidade, fez trabalho voluntário com crianças de famílias que estavam em abrigos públicos (meu menino saia de casa antes das oito da manhã e só retornava depois das oito da noite, e organizava e participava de brincadeiras e atividades com a rapaziada).

Significa dizer, senador petista homofóbico, que meu filho não ameaça a nenhuma família como você afirma quando resolve participar da imundície organizada, dentre outros patifões religiosos, pelo notório patifão do Malafaia.

Quando meu menino resolveu viver integral e publicamente sua sexualidade eu, pai imperfeito que sou, decidi que faria tudo para proteger sua vida, sua integridade e seus valores, de modo que homofobia como a sua será por mim tratada, do pescoço pra baixo, a pontapés, até porque a cada 36 horas um integrante da banda LGTB é assassinado no Brasil. A sua homofobia mesmo quando desnatada, Walter, mata.

Sua fé, mesmo que evidentemente obtusa, merece meu respeito e se algum dia a liberdade religiosa estiver sob ameaça, quero ser convocado para defendê-la irrestritamente mas, como é próprio, cada vez que vocês acenderem as fogueiras da inquisição eu, nos meus limites e forças, farei o que for possível para apagá-las.

Estou aqui para defender meu filho, e o farei, bando de homofóbicos religiosos filhos-da-puta!

Curta-mertagem "Eu não quero voltar sozinho" censurado no Acre por influência de religiosos

Esse é o estado laico brasileiro. O curta-metragem de Daniel Ribeiro eleito tanto pelo júri como pelo público como o Melhor Filme do Festival de Paulínia em 2010, teve sua exibição censurada no Acre por influência de religiosos. O filme é sobre um garoto cego que descobre sua paixão por um novato em sua sala de aula. É um filme muito bonito que vale a pena ser assistido mas que no Acre não poderá ser exibido no Cine Educação que por sua vez foi cancelado somente por ter em sua programaçõa este curta.

Não assistiu ainda? Pois aperte o play aí e deixe seu comentário sobre essa absurda proibição.

sábado, 18 de junho de 2011

Recordar é viver: Junho de 2006, nascia o blog Molotov.

Uau!

Já se vão quase cinco anos desde o primeiro arremesso deste incendiário aqui no blog. O projeto individual do militante cearense não tinha lá pretensões de ir tão longe, e olhe lá, não fosse o recrutamento do blog ao nosso portal, com certeza não teríamos chegado até aqui. E o que parece simples hoje, afinal todo mundo tem blog, não o era lá em 2006. Não se fazia blog pra ocupação, nem muito menos pra se contar o dia a dia da visita ao Haiti ou mesmo ao Egito. O YouTube ainda não era da Google. O twitter e o facebook não existiam. E nós passamos por tudo isso e ainda estamos aqui, ocupando, resistindo e produzindo na blogosfera.

Que tal fazer uma visita pelo que rolou nos cinco meses de junho nos arremessos de nosso blog de lá pra cá? Escolha o ano aí e boa viagem:

Greve nas obras do Mineirão (charge)

Lute

Editora Sundermann no Facebook

A Editora Sundermann além de portal, blog e conta no twitter agora tem também página no Facebook. Então que tal passar por lá e deixar o seu "Curtir"?

Clique aqui.

Bispo afirma que mulheres mentem ao dizer que são estupradas

Dá pra acreditar em tamanha infâmia? Pois tal aberração, entre tantas outras, foi registrada em entrevista do bispo católico Luiz Gonzaga Bergonzini ao jornal Valor Econômico e está publicada em vários sites inclusive no portal "Voto Católico".
"...o Ministério da Saúde editou uma norma técnica para os casos de aborto permitidos por lei e determinou que a vítima de estupro não precisaria apresentar um Boletim de Ocorrência para fazer o aborto, com base no Código Penal. Para o bispo, foi uma ação para flexibilizar a prática e tornou-se uma brecha.

“Vamos admitir até que a mulher tenha sido violentada, que foi vítima… É muito difícil uma violência sem o consentimento da mulher, é difícil”, comenta. O bispo ajeita os cabelos e o crucifixo. “Já vi muitos casos que não posso citar aqui. Tenho 52 anos de padre… Há os casos em que não é bem violência… [A mulher diz] “Não queria, não queria, mas aconteceu…”", diz. “Então sabe o que eu fazia?” Nesse momento, o bispo pega a tampa da caneta da repórter e mostra como conversava com mulheres. “Eu falava: bota aqui”, pedindo, em seguida, para a repórter encaixar o cilindro da caneta no orifício da tampa. O bispo começa a mexer a mão, evitando o encaixe. “Entendeu, né? Tem casos assim., do “ah, não queria, não queria, mas acabei deixando”. O BO é para não facilitar o aborto”, diz.

O bispo continua o raciocínio. “A mulher fala ao médico que foi violentada. Às vezes nem está grávida. Sem exame prévio, sem constatação de estupro, o aborto é liberado”, declara, ajeitando o cabelo e o crucifixo."
Em sua cruzada contra o aborto o bispo prega que lá no fundo o ato foi simplesmente responsabilidade e por que não dizer até fruto da vontade da mulher. Absurdo dos absurdos.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Sigilo eterno (charges)

Dálcio
Amarildo
Amorim
Duke
Paixão
Zope

Veja o video de lançamento do livro "Em defesa do Marxismo" publicado por @ESundermann

A Editora Sundermann vem nos últimos anos resgatando preciosos textos do marxismo entre eles "Stalin, o grande organizador de derrotas" e "Questões do modo de vida". Para divulgar seu mais novo lançamento, "Em defesa do Marxismo", a editora inova e publica um teaser video em sua conta no YouTube. Parabéns à Sundermann tanto pela publicação como pelo video.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Carta do cacique Mutua, da Aldeia dos Xavantes, a todos os povos da Terra


No último dia 08/06 o cacique Mutua da tribo Xavante apresentou uma carta a todos os povos da terra sobre a agressão ao rio Xingu com a construção da usina de Belo Monte. Transcrevemos a carta a seguir:
O Sol me acordou dançando no meu rosto. Pela manhã, atravessou a palha da oca e brincou com meus olhos sonolentos. O irmão Vento, mensageiro do Grande Espírito, soprou meu nome, fazendo tremer as folhas das plantas lá fora. Eu sou Mutua, cacique da aldeia dos Xavantes. Na nossa língua, Xingu quer dizer água boa, água limpa. É o nome do nosso rio sagrado. Como guiso da serpente, o Vento anunciou perigo. Meu coração pesou como jaca madura, a garganta pediu saliva. Eu ouvi. O Grande Espírito da floresta estava bravo. Xingu banha toda a floresta com a água da vida. Ele traz alegria e sorriso no rosto dos curumins da aldeia. Xingu traz alimento para nossa tribo.

Mas hoje nosso povo está triste. Xingu recebeu sentença de morte. Os caciques dos homens brancos vão matar nosso rio. O lamento do Vento diz que logo vem uma tal de usina para nossa terra. O nome dela é Belo Monte. No vilarejo de Altamira, vão construir a barragem. Vão tirar um monte de terra, mais do que fizeram lá longe, no canal do Panamá.

Enquanto inundam a floresta de um lado, prendem a água de outro. Xingu vai correr mais devagar. A floresta vai secar em volta. Os animais vão morrer. Vai diminuir a desova dos peixes. E se sobrar vida, ficará triste como o índio.

Como uma grande serpente prateada, Xingu desliza pelo Pará e Mato Grosso, refrescando toda a floresta. Xingu vai longe desembocar no Rio Amazonas e alimentar outros povos distantes. Se o rio morre, a gente também morre, os animais, a floresta, a roça, o peixe tudo morre. Aprendi isso com meu pai, o grande cacique Aritana, que me ensinou como fincar o peixe na água, usando a flecha, para servir nosso alimento.

Se Xingu morre, o curumim do futuro dormirá para sempre no passado, levando o canto da sabedoria do nosso povo para o fundo das águas de sangue. Pela manhã, o Vento me levou para a floresta. O Espírito do Vento é apressado, tem de correr mundo, soprar o saber da alma da Natureza nos ouvidos dos outros pajés. Mas o homem branco está surdo e há muito tempo não ouve mais o Vento.

Eu falei com a Floresta, com o Vento, com o Céu e com o Xingu. Entendo a língua da arara, da onça, do macaco, do tamanduá, da anta e do tatu. O Sol, a Lua e a Terra são sagrados para nós. Quando um índio nasce, ele se torna parte da Mãe Natureza. Nossos antepassados, muitos que partiram pela mão do homem branco, são sagrados para o meu povo.

É verdade que, depois que homem branco chegou, o homem vermelho nunca mais foi o mesmo. Ele trouxe o espírito da doença, a gripe que matou nosso povo. E o espírito da ganância que roubou nossas árvores e matou nossos bichos. No passado, já fomos milhões. Hoje, somos somente cinco mil índios à beira do Xingu, não sei por quanto tempo.

Na roça, ainda conseguimos plantar a mandioca, que é nosso principal alimento, junto com o peixe. Com ela, a gente faz o beiju. Conta a história que Mandioca nasceu do corpo branco de uma linda indiazinha, enterrada numa oca, por causa das lágrimas de saudades dos seus pais caídas na terra que a guardava.

O Sol me acordou dançando no meu rosto. E o Vento trouxe o clamor do rio que está bravo. Sou corajoso guerreiro, não temo nada.

Caminharei sobre jacarés, enfrentarei o abraço de morte da jiboia e as garras terríveis da suçuarana. Por cima de todas as coisas pularei, se quiserem me segurar. Os espíritos têm sentimentos e não gostam de muito esperar.

Eu aprendi desde pequeno a falar com o Grande Espírito da floresta. Foi num dia de chuva, quando corria sozinho dentro da mata, e senti cócegas nos pés quando pisei as sementes de castanha do chão. O meu arco e flecha seguiam a caça, enquanto eu mesmo era caçado pelas sombras dos seres mágicos da floresta. O espírito do Gavião Real agora aparece rodopiando com suas grandes asas no céu. Com um grito agudo perguntou: Quem foi o primeiro a ferir o corpo de Xingu? Meu coração apertado como a polpa do pequi não tem coragem de dizer que foi o representante do reino dos homens. O espírito do Gavião Real diz que se a artéria do Xingu for rompida por causa da barragem, a ira do rio se espalhará por toda a terra como sangue e seu cheiro será o da morte.

O Sol me acordou brincando no meu rosto. O dia se abriu e me perguntou da vida do rio. Se matarem o Xingu, todos veremos o alimento virar areia.

A ave de cabeça majestosa me atraiu para a reunião dos espíritos sagrados na floresta. Pisando as folhas velhas do chão com cuidado, pois a terra está grávida, segui a trilha do rio Xingu. Lembrei que, antes, a gente ia para a cidade e no caminho eu só via árvores.

Agora, o madeireiro e o fazendeiro espremeram o índio perto do rio com o cultivo de pastos para boi e plantações mergulhadas no veneno. A terra está estragada. Depois de matar a nossa floresta, nossos animais, sujar nossos rios e derrubar nossas árvores, querem matar Xingu.

O Sol me acordou brincando no meu rosto. E no caminho do rio passei pela Grande Árvore e uma seiva vermelha deslizava pelo seu nódulo. Quem arrancou a pele da nossa mãe? gemeu a velha senhora num sentimento profundo de dor. As palavras faltaram na minha boca. Não tinha como explicar o mal que trarão à terra. Leve a nossa voz para os quatro cantos do mundo clamou O Vento ligeiro soprará até as conchas dos ouvidos amigos ventilou por último, usando a língua antiga, enquanto as folhas no alto se debatiam.

Nosso povo tentou gritar contra os negócios dos homens. Levamos nossa gente para falar com cacique dos brancos. Nossos caciques do Xingu viajaram preocupados e revoltados para Brasília. Eu estava lá, e vi tudo acontecer.

Os caciques caraíbas se escondem. Não querem olhar direto nos nossos olhos. Eles dizem que nos consultaram, mas ninguém foi ouvido.

O homem branco devia saber que nada cresce se não prestar reverência à vida e à natureza. Tudo que acontecer aqui vai voar com o Vento que não tem fronteiras. Recairá um dia em calor e sofrimento para outros povos distantes do mundo.

O tempo da verdade chegou e existe missão em cada estrela que brilha nas ondas do Rio Xingu. Pronta para desvendar seus mistérios, tanto no mundo dos homens como na natureza.

Eu sou o cacique Mutua e esta é minha palavra! Esta é minha dança! E este é o meu canto!

Porta-voz da nossa tradição, vamos nos fortalecer. Casa de Rezas, vamos nos fortalecer. Bicho-Espírito, vamos nos fortalecer. Maracá, vamos nos fortalecer. Vento, vamos nos fortalecer. Terra, vamos nos fortalecer. Rio Xingu! Vamos nos fortalecer!

Leve minha mensagem nas suas ondas para todo o mundo: a terra é fonte de toda vida, mas precisa de todos nós para dar vida e fazer tudo crescer. Quando você avistar um reflexo mais brilhante nas águas de um rio, lago ou mar, é a mensagem de lamento do Xingu clamando por viver.

Cacique Mutua

terça-feira, 14 de junho de 2011

Abaixo DCE que bate em mulher

Aconteceu ontem, dia 13/06, durante as eleição para o CONUNE na PUCRS. Uma companheira do PSOL de Porto Alegre foi estupidamente agredida por integrantes do DCE. O video a seguir estava sendo registrado para mostrar o golpe da já conhecida "Máfia do DCE da PUCRS" quando ao chegar na sala em que estava acontecendo a eleição, um tumulto acontece. A estudante fala "Não toca em mim" e em seguida as luzes são apagadas. Gritos se ouvem vindos de dentro da sala enquanto seguranças impedem que qualquer pessoa entre. São pouco mais de 40 segundos que parecem durar uma eternidade. Um verdadeiro espetáculo de horror.

Veja o video:



Leia no blog da ANEL-RS:

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Movimento de Mulheres em Luta lança nota sobre agressão da guarda municipal de Fortaleza à professoras em greve


Na terça-feira da semana passada, dia 07 de junho, Fortaleza foi palco de um espetáculo de brutalidade à categoria dos professores promovido pela guarda municipal de Fortaleza em frente à câmara de vereadores da cidade (veja aqui). O episódio foi marcado não só pela repressão mas também pela agressão verbal contra as professoras, que segundo o vereador Átila Bezerra, "são tudo raparigas".

Como Fortaleza é administrada por uma mulher, a reação de todos os que se revoltam contra os desmandos da petista muitas vezes sai da raia do aceitável e palavrões machistas são disparados em contra-partida.

O Movimento de Mulheres em Luta da CSP-Conlutas em Fortaleza, não aceitando a agressão física nem muito menos o machismo preparou uma nota que publicamos aqui:

Professoras de Fortaleza são agredidas por vereadores.

No Ceará 69 mulheres foram assassinadas só neste ano. Em um estado em que existem apenas 14 casas abrigos e 7 delegacias das mulheres para 184 municípios é demasiadamente difícil combater a violência machista.

Mulheres são mortas enquanto os governantes cruzam os braços e se negam a combater essa situação.

Alguns políticos vão mais além e agridem diretamente mulheres trabalhadoras, foi isso o que ocorreu no último dia 07 de junho na Câmara Municipal de Fortaleza. O vereador Átila Bezerra chegou a levantar o braço para agredir fisicamente a professora e não satisfeito gritou: “Está faltando homem para bater nesse povo” e “são tudo raparigas”.

É inaceitável que qualquer pessoa trate uma mulher desta forma, vindo de um parlamentar é ainda mais grave. Isso demonstra que este senhor não tem nenhum preparo para representar a população e que defende a violência machista em um país em que a cada duas horas uma mulher é barbaramente assassinada, vítima de agressão. Defender a violência às mulheres e praticá-la é o verdadeiro crime que se cometeu e por isso o vereador deve ser punido, como qualquer outro agressor.
 

Não à criminalização dos movimentos sociais. 
A luta dos trabalhadores por melhores condições de vida e de trabalho tem sido tratado pelos governantes como caso de polícia, foi assim no Rio de Janeiro com os corajosos bombeiros e também com os professores em Fortaleza. No entanto, os que defendem à violência e se recusam a cumprir as leis, continuam sem nenhuma punição.

Os trabalhadores fazem greve porque precisam defender sua qualidade de vida e de trabalho e não por questões pessoais ou porque gostam. Os responsáveis pela insatisfação das mulheres, trabalhadoras em geral, são os próprios governantes, como Luizianne Lins que fechou dezenas de creches impedindo que mães possam sair de casa e trabalhar para sustentar suas famílias.
 

Nós do Movimento Mulheres em Luta da CSP-Conlutas, opinamos que o fato de Luizianne do PT ser mulher não faz com que ela governe para as trabalhadoras, pelo contrário governa com os empresários, fechando os olhos para as áreas sociais, educação e saúde que neste momento também está em greve. Infelizmente a presidente Dilma segue o mesmo caminho, ao cortar 50 bilhões das áreas sociais, entre elas a educação.

Apesar disso, não achamos correto utilizar adjetivos machistas, os mesmos ou similares ao que o vereador utilizou, ao se referir à prefeita ou qualquer mulher.

Neste sentido, fazemos um pedido fraterno: não vamos reproduzir o machismo, o racismo e a homofobia, ideologias que não fortalecem a nossa luta. Não fazem parte do método de luta da classe trabalhadora, porque o machismo massacra a mulher trabalhadora e, portanto, fortalecê-lo divide a nossa classe. Nossas armas não são as mesmas que as deles, porque lutamos por um mundo diferente, onde mulheres e homens trabalhadores possam juntos governar sem opressão e sem exploração. 


domingo, 12 de junho de 2011

Trinta mil em Copacabana. Veja fotos.

Celso Pupo/AE
Eduardo Naddar/FolhaPress
Felipe de Oliveira/R7
Felipe de Oliveira/R7
Rafael Moraes/JB
Rafael Moraes/JB
Rafael Moraes/JB
Rafael Moraes/JB
Rafael Moraes/JB
Leia no portal:

sábado, 11 de junho de 2011

As diferenças entre bombeiros, professores, médicos e o governador no Rio de Janeiro (foto-montagem)


Salvar vidas: 960 reais. Educar vidas: 728 reais. Cuidar de vidas: 1260 reais. Menosprezá-las: 17200 reais.

E não esqueça amanhã tem passeata na Praia de Copacabana. Concentração a partir das 10h na esquina da Av. Princesa Isabel com Av Atlântica.

No portal:

* Um tweet de ontem de @evandosanjos foi a base para esse arremesso.

Liberdade

Luiz Gomes/Futura Press
Luiz Gomes/Futura Press

Leia a notícia aqui.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Editora Sundermann faz doação de livros ao Museu Casa de Leon Trotsky



Esteban Volkov, neto de Leon Trotsky e última testemunha viva do assassinato do grande líder revolucionário, esteve no Brasil para uma série de palestras e conferências. Volkov, de 85 anos, vive até hoje no México, para onde foi levado ainda criança, depois da morte de sua mãe, Zinaida Volkova, filha mais velha de Trotsky. Ele é curador do Museu Casa Leon Trotsky, em Coyoacan, região metropolitana da cidade do México, onde Trotsky cumpriu os últimos anos de seu terceiro exílio.

Por ocasião de sua visita, a Editora Sundermann fez uma doação para o Museu de todos os títulos de Trotsky publicados pela editora. O Museu Casa Leon Trotsky possui uma ampla biblioteca com obras de Trotsky em vários idiomas.

Com essa doação, esperamos fortalecer um projeto de enorme valor histórico e político e manter viva a memória deste que, junto com Lenin, dirigiu a mais importante revolução do século 20.
Trotsky vive!

Clique aqui e visite a página da Editora. Além de várias obras de Trostky, você pode encontrar os mais diversos livros sobre marxismo e política em geral.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Atores globais gravam video em apoio aos bombeiros #riovermelho

No video, Cássia Kiss Magro, Ary Fontoura, Elizabeth Savalla, Mateus Solano e Sergio Marone prestam apoio aos bombeiros e suas famílias.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Palocci continua solto... e os bombeiros continuam presos. (Charge)

Cícero

Maio, Nosso Maio: Animação brasielira conta a história do primeiro de maio

Estamos em junho é verdade. Mas a animação do pessoal do estúdio Gunga merece ser divulgada independente de data. Maio Nosso Maio é uma animação que foi apresentada pela primeira vez no dia 29 de abril deste ano na abertura da III Conferência Distrital de Cultura. São 12 minutos que valem muito a pena. Parabéns ao pessoal do Gunga e também nossos agradecimentos em nome de todos os que batalhamos para resgatar a história do primeiro de maio.

O jeito petista de governar abusa do mesmo e velho jeito de sempre de reprimir

Os videos a seguir são de um programa policial da televisão cearense em que podemos assistir o deprimente e revoltante espetáculo da guarda municipal reprimindo os professores em greve há mais de 40 dias em Fortaleza pelo cumprimento da lei do piso. O episódio aconteceu ontem, dia 07 de junho, em frente à Câmara Municipal de Fortaleza.

A prefeita de Fortaleza é a ex-professora Luizianne Lins do PT e o presidente da câmara é o ex-presidente da CUT, Acrísio Sena também do PT.





* Agradecimentos ao nosso companheiro Cândido Cunha pela indicação dos videos.

Veja o video-paródia dos estudantes da UFPB da música oração

A "banda mais bonita da cidade" e sua música "oração" é um dos recentes fenômenos da internet no país com várias acessos no YouTube e também com paródias diferentes. Uma das mais recentes e que merece é claro menção honrosa no blog Molotov é o video "construção" dos estudantes da UFPB.