quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Veja o discurso de Valério no ato de lançamento de Zé Maria em São Paulo.

Valério no ato do dia 13 de novembro em São Paulo

Hoje tem lançamento do Zé em Belém, amanhã em Fortaleza e sexta em Recife

zemaria

Essa semana a pré-candidatura de Zé Maria corre importantes capitais do Norte e Nordeste. Neste exato momento, Zé Maria está no Clube Monte Líbano em Belém do Pará. Amanhã será a vez dos trabalhadores cearenses prestigiarem o lançamento da pré-candidatura do PSTU. E fechando a maratona da semana teremos o ato na capital pernambucana.

domingo, 22 de novembro de 2009

Seminário de Consciência Negra da ANEL

seminario-anel A ANEL realiza seu primeiro seminário de consciência negra em Salvador entre 25 e 27 de novembro no Campus I da Universidade Estadual da Bahia.

Saiba mais aqui.

Todo poder para o povo.

Mais um documentário sobre o “Partido dos Panteras Negras e um pouco mais”. São seis partes que somam pouco menos de uma hora e que valem bastante a pena assistir.

sábado, 21 de novembro de 2009

COINTELPRO e Partido dos Panteras Negras

Uma boa dica para quem estiver com vontade de assistir um documentário nesse fim de semana é o “COINTELPRO e Partido dos Panteras Negras” que conta a forma como o Black Panthers Party foi desmontado pelo governo dos Estados Unidos. O documentário está no YouTube dividido em sete partes e com legendas em português.

* Agradecimentos ao blogueiro J.P. pela dica.

Benett: Sarney também quer um filme sobre ele

sarneyofilme

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Elas não estudaram na Uniban

Por Luciana Candido, do Portal do PSTU

Soube do episódio da estudante Geyse Arruda pelo Twitter. É óbvio que não acreditei. Era muito absurdo. Mas, curiosa, fui checar. Quando me convenci que era verdade, de repente, me deu um estalo e lembrei de uma foto amarelada com a minha mãe num vestido muito curto nos anos 70. Até aí, nada demais – era moda. Mas aquela era bem específica, uma cerimônia de casamento. E ela estava ao lado do padre!



Resgatei as fotos. Estão ruins por conta do tempo, mas dá para entender. A moda da micro-minissaia, naquela época, foi fruto da chamada revolução sexual. Noeli Candido (minha mãe) busca na memória de onde vinham as ideias para os modelos: “A inspiração vinha de revistas de moda, de atrizes, de filmes, enfim, de anúncios, mas também como forma de comemoração por algumas conquistas das mulheres”.

Naquele casamento, ela tinha seus vinte e poucos anos. “Este vestido foi feito para uma ocasião bem formal. Usei na cerimônia religiosa de um casamento. Como madrinha! Todas as jovens, aliás, também usavam vestidos assim. E nem fomos apedrejadas! Nem mesmo pelo padre (risos).”

Ela também ficou chocada com a agressão na Uniban. “Que retrocesso! Hoje em dia se fala tanto em igualdade e, de repente, assistir a uma barbárie destas nos faz questionar até que ponto estes jovens podem ser chamados de seres sociais. Que tipo de formação estão recebendo? Que valores defendem? É assustador!”

Ela diz que dificilmente isso teria acontecido na época em que aconteceu este casamento, mesmo em plena ditadura. “Naquela época, todas as jovens e adolescentes usavam mini e microssaias e vestidos e nunca tive conhecimento de nada semelhante. A moda era eclética, mas o que predominava eram saias e vestidos muito curtos, inclusive para acontecimentos formais. Era visto com normalidade. Quem não gostava, não usava e pronto.”



Na foto acima, há outras mulheres, também com vestidos curtos. “Cada um usa a roupa que quiser. Não é pela roupa que você avalia o caráter de alguém. Lá em Brasília estão todos engravatados, no entanto...”, alfineta Noeli.

Evidentemente, não é uma saia curta que determina se uma mulher é livre. Apenas estamos tentando demonstrar o retrocesso. Contraditoriamente, era um período de uma dura repressão. A foto foi tirada nos anos de chumbo da ditadura militar. Ela conta, por exemplo, que antes “O Capital” fazia parte do currículo escolar.

Foi justamente neste período que as mulheres conquistaram liberdades sexuais, a pílula anticoncepcional, entre outras coisas. “Algumas mulheres conseguiram se sentir mais livres, mas a opressão era muito grande. Se hoje ainda é, imagine há quase 40 anos! Havia muita hipocrisia. Hoje tivemos avanços, apesar de ter muito mais ainda a se conquistar. Vejo uma liberdade meio irresponsável.”


“A juventude de hoje é mais atrasada porque deixou de pensar. E isto graças ao sucateamento da educação em defesa do poder para os nossos políticos.” Ela cita mudanças que foram acontecendo no ensino: “tinha-se aulas de Filosofia, por exemplo, que nos faziam refletir, formar nossas próprias opiniões, nos questionar”.

“Ainda temos muita luta pela frente. Infelizmente, vivemos numa sociedade machista e capitalista onde o homem ainda tem o poder. Tivemos muitas conquistas, mas ainda faltam outras tantas. A opressão ainda é muito grande. É preciso que todas as mulheres tenham acesso à educação e à informação e que os homens mudem a maneira de nos ver. Ainda somos usadas e vistas como mercadorias. É claro que temos exceções, mas temos muito que fazer ainda! Mas não vamos desanimar. Vamos à luta!”

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

domingo, 15 de novembro de 2009

Simon: A fogueira das vaidades

simon-apagao

Gíria Vermelha: Lutar é preciso.

Gíria Vermelha” é sem dúvida um dos principais grupos de rap do Maranhão e “Lutar é preciso” é o nome de um rap que com certeza toca fundo em todo militante socialista em especial pela belíssima forma como o grupo conseguiu fundir o hip hop com a Internacional.

O video abaixo é parte de um show do grupo no Centro de Cultura Negra do Maranhão em junho deste ano como parte das comemorações dos 20 anos de Quilombo Urbano.

E vale lembrar: próxima sexta-feira, dia 20, estará ocorrendo a quarta marcha da perifieria, mais informações no blog do Quilombo Urbano.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Leia a posição do Movimento de Mulheres em Luta sobre o episódio da Uniban

O portal da Conlutas divulgou hoje a posição do Movimento de Mulheres em Luta sobre o episódio da mini-saia e a Uniban.

Nós, do Movimento Mulheres em Luta, nos manifestamos contra a atitude da Universidade Bandeirantes (UNIBAN), quando no último domingo publicou nos jornais de circulação de São Paulo, a expulsão de Geyse Arruda. A aluna fora humilhada e insultada por cerca de 700 alunos, havendo necessidade da intervenção policial, simplesmente porque, segundo seus inquisidores, estava vestida inadequadamente para o ambiente universitário - trajava um vestidinho cereja, curto demais. Para surpresa geral a aluna fora julgada e condenada pela instituição numa atitude reacionária, hipócrita, ou seja, de vítima Geyse tornara-se culpada devendo pagar por seu crime. A ela a expulsão, aos que a insultaram a suspensão.

Esse caso traz em seu bojo toda gama de preconceitos arraigados na sociedade capitalista, cuja principal finalidade é a obtenção do lucro. Assim é, que a UNIBAN, sem o menor constrangimento, lança mão do machismo para atingir seu maior propósito: ele – o lucro.

Ainda que pese a universidade ter voltado atrás de sua decisão de expulsar a aluna, não podemos simplesmente virar a página e seguir adiante sem que nada houvesse acontecido. No episódio Geyse, o que fica é a marca da mulher vista como um objeto, sem desejo, sem liberdade e que não pode desobedecer, caso contrário, merece insultos, merece surras, merece toda forma de exploração. O que fica é que muito já foi feito para combater as opressões, mas há que se fazer muito mais! Não podemos tolerar atitudes machistas, homofóbicas e racistas, peculiares ao capitalismo.

Nos manifestamos contra a atitude covarde dos alunos da UNIBAN. Total apoio à aluna GEYSE que em pleno século XXI chega às raias da inquisição!

MOVIMENTO MULHERES EM LUTA
GT DE MULHERES - CONLUTAS
SECRETARIA DE MULHERES – APEOESP SUBSEDE SUL

Ato de lançamento da pré-candidatura de Zé Maria em São Paulo será nesta sexta-feira 13

zemaria E pra quem não vai poder estar na quadra dos bancários será possível usufruir da transmissão online.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Video: Soldados israelenses atiram em fazendeiros e ativistas dos direitos humanos em Gaza

* A “munição” desse “arremesso” veio diretamente do Blog do Bourdoukan.

Portal lança especial sobre os 20 anos da queda do muro de Berlim

especialmuro

Nosso portal está com uma página especial acerca dos 20 anos da queda do muro de Berlim. Nele é possível ver um depoimento de 1991 do camarada José Welimovick sobre a análise dos acontecimentos. O especial aglutina ainda artigos, fotos e uma área com os acontecimentos de forma cronológica.

Não deixe de visitar.

domingo, 8 de novembro de 2009

Latuff e os 20 anos do muro que caiu

 wall

Diga a Vale que sua estratégia de dividir para conquistar não funciona!

O portal LabourStart está com uma campanha de envio de e-mails com moção a Roger Agneli, CEO da Vale, reivindicando que seja aberta negociação com os trabalhadores canadenses da Vale Inco Canada que estão em greve já há quatro meses.

Para se somar à campanha clique aqui, preencha seu nome e e-mail e clique em enviar. É muito rápido. Até o momento foram pouquíssimos os brasileiros que encaminharam a moção. Vamos mudar esse cenário, encher a conta de e-mail do Agneli e demonstrar apoio e solidariedade aos companheiros da Vale canadense.

SudburyValeIncoStrike

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Veja Zé Maria falando sobre o seminário nacional de reorganização

José Maria de Almeida e o seminário nacional de reorganização

Portal pernambucano acompanha número homicídios com contador

pe-body-count

Pernambuco é o primeiro no ranking em homicídos entre os estados brasileitos e entre as vítimas a maioria são jovens, negros e pobres. Um portal pernambucano resolveu seguir o exemplo de outros como o iraq body count e eis que surge o pe body count com atualizações diárias. Só no mês de novembro já foram 42 ocorrências totalizando 3443 homicídios em 2009.

domingo, 1 de novembro de 2009

Pelo fim da guerra interna na periferia

Irmao contra irmaoNovembro chegou e com ele também a contagem regressiva para a Quarta Marcha da Periferia organizada pelo Movimento de Hip Hop Organizado do Maranhão Quilombo Urbano que ocorrerá no dia 20/11 logo após o XX Festival de Hip Hop, em São Luis do Maranhão. O tema da marcha deste ano é o do título deste post: “Pelo fim da guerra interna na periferia”.

A quarta marcha será a primeira realizada após a fundação do Movimento Hip Hop Militante Quilombo Brasil durante o último Fórum Social Mundial.

Rappers, bboys, bgirls, grafiteitos e ativistas de juventude de boa parte do país estarão participando da marcha da periferia e lá também estarão muitos militantes da juventude do PSTU.

Durante o mês de novembro o Blog Molotov estará (na medida do possível) divulgando notícias, letras de rap e até mesmo videos e músicas de alguns dos vários grupos que estarão marcando presença em São Luis no dia 20.

* A charge “Irmão contra irmão” foi feita por Latuff para a quarta marcha.