quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Elas não estudaram na Uniban

Por Luciana Candido, do Portal do PSTU

Soube do episódio da estudante Geyse Arruda pelo Twitter. É óbvio que não acreditei. Era muito absurdo. Mas, curiosa, fui checar. Quando me convenci que era verdade, de repente, me deu um estalo e lembrei de uma foto amarelada com a minha mãe num vestido muito curto nos anos 70. Até aí, nada demais – era moda. Mas aquela era bem específica, uma cerimônia de casamento. E ela estava ao lado do padre!



Resgatei as fotos. Estão ruins por conta do tempo, mas dá para entender. A moda da micro-minissaia, naquela época, foi fruto da chamada revolução sexual. Noeli Candido (minha mãe) busca na memória de onde vinham as ideias para os modelos: “A inspiração vinha de revistas de moda, de atrizes, de filmes, enfim, de anúncios, mas também como forma de comemoração por algumas conquistas das mulheres”.

Naquele casamento, ela tinha seus vinte e poucos anos. “Este vestido foi feito para uma ocasião bem formal. Usei na cerimônia religiosa de um casamento. Como madrinha! Todas as jovens, aliás, também usavam vestidos assim. E nem fomos apedrejadas! Nem mesmo pelo padre (risos).”

Ela também ficou chocada com a agressão na Uniban. “Que retrocesso! Hoje em dia se fala tanto em igualdade e, de repente, assistir a uma barbárie destas nos faz questionar até que ponto estes jovens podem ser chamados de seres sociais. Que tipo de formação estão recebendo? Que valores defendem? É assustador!”

Ela diz que dificilmente isso teria acontecido na época em que aconteceu este casamento, mesmo em plena ditadura. “Naquela época, todas as jovens e adolescentes usavam mini e microssaias e vestidos e nunca tive conhecimento de nada semelhante. A moda era eclética, mas o que predominava eram saias e vestidos muito curtos, inclusive para acontecimentos formais. Era visto com normalidade. Quem não gostava, não usava e pronto.”



Na foto acima, há outras mulheres, também com vestidos curtos. “Cada um usa a roupa que quiser. Não é pela roupa que você avalia o caráter de alguém. Lá em Brasília estão todos engravatados, no entanto...”, alfineta Noeli.

Evidentemente, não é uma saia curta que determina se uma mulher é livre. Apenas estamos tentando demonstrar o retrocesso. Contraditoriamente, era um período de uma dura repressão. A foto foi tirada nos anos de chumbo da ditadura militar. Ela conta, por exemplo, que antes “O Capital” fazia parte do currículo escolar.

Foi justamente neste período que as mulheres conquistaram liberdades sexuais, a pílula anticoncepcional, entre outras coisas. “Algumas mulheres conseguiram se sentir mais livres, mas a opressão era muito grande. Se hoje ainda é, imagine há quase 40 anos! Havia muita hipocrisia. Hoje tivemos avanços, apesar de ter muito mais ainda a se conquistar. Vejo uma liberdade meio irresponsável.”


“A juventude de hoje é mais atrasada porque deixou de pensar. E isto graças ao sucateamento da educação em defesa do poder para os nossos políticos.” Ela cita mudanças que foram acontecendo no ensino: “tinha-se aulas de Filosofia, por exemplo, que nos faziam refletir, formar nossas próprias opiniões, nos questionar”.

“Ainda temos muita luta pela frente. Infelizmente, vivemos numa sociedade machista e capitalista onde o homem ainda tem o poder. Tivemos muitas conquistas, mas ainda faltam outras tantas. A opressão ainda é muito grande. É preciso que todas as mulheres tenham acesso à educação e à informação e que os homens mudem a maneira de nos ver. Ainda somos usadas e vistas como mercadorias. É claro que temos exceções, mas temos muito que fazer ainda! Mas não vamos desanimar. Vamos à luta!”

4 comentários:

Vinícius disse...

Pois é, para ver o regresso mental desses estudantes da Uniban!
Nem em outras épocas mais remotas, como neste casamento, havia tamanha ignorância, e agora em pleno séc.XXI ha jovens com a intolerância que remete ao inicio do séc.XX!

regina disse...

Que legal as fotos ! A minha mãe, hoje sexagenária usava também saia curta. Evangélia ia assim para a Igreja como todas as outras irmãs mostrando as pernocas que Deus lhes deu. O que mais me aterroriza é ver o oprimido defendendo o seu Algoz. Alunas da Uniban gritando ofensas contra a garota, rprodusindo o machismo na sua forma mais cruel. Acorda mulherada !!! O que cobre o corpo não importa, e sim o que agita a sua cabeça !

CAROL CANDIDO disse...

"Elas não estudaram na Uniban", simplesmente, representa uma perfeita analogia! Antes a sociedade vivia na ditadura, mas, ainda assim, foi uma época de muitos movimentos que buscavam a igualdade. Hoje vivemos em uma falsa liberdade e todos os dias presenciamos cenas como as da Uniban. Convimemos diariamente com muito machismo, racismo, homofobia, enfim... quando vamos sair desta prisão?

Let´s disse...

Adorei seu post porque me lembrei da minha mãe. E, acredite, ela se CASOU com um minivestido ROSA! Acho que foi na mesma época, auge da ditadura. Quase quarenta anos depois, nos deparamos com o que aconteceu na UNIBAN.Inspirei-me no seu post e escrevi um tb. Um beijo!