domingo, 29 de abril de 2007

Aborto não deve ser crime

No último dia 24 de março, as alas mais conservadoras da Igreja Católica em conjunto com seitas evangélicas e espíritas, promoveram uma manifestação na Praça da Sé em São Paulo contra a descriminalização do aborto em um movimento que chamam "em defesa da vida". A mesma Igreja Católica que é contra o uso de camisinha, e que assim tem colaborado para a contaminação de AIDS e demais DSTs em todo o mundo e em especial no continente africano, aproveita do momento que seu Papa vem ao Brasil para tentar barrar quaisquer avanços democráticos que as mulheres trabalhadoras brasileiras possam conseguir em relação à discriminalização.

Em Portugal, a lei do aborto entrou em vigor no último domingo, dia 22 de abril. Para alcançarem esse avanço as mulheres trabalhadoras portuguesas enfrentaram uma dura e ultra-reacionária campanha da direita encabeçada pela Igreja Católica. O referendo do dia 11 de fevereiro, deu 59% de SIM ao direito à vida das mulheres portuguesas.

Na última terça-feira, 24 de abril, foi a vez das trabalhadoras mexicanas, conseguirem o direito ao aborto na capital do México, mas não sem o enfrentamento com a Igreja Católica.

É em defesa da vida de mais 150 mil mulheres brasileiras que anualmente morrem ou ficam com sequelas graves que defendemos o direito ao Aborto, que já é a terceira maior causa de morte entre as mulheres no Brasil. É em defesa do direito elementar das mulheres decidirem sobre seu corpo que somos contra as leis que matam trabalhadoras e ainda permitem que se prenda as que sobrevivem.

Para ver:


Um dos videos da campanha pelo SIM em Portugal, realizado pelo grupo "Médicos pela Escolha"


Primeira parte do videodocumentário "Clandestinas" sobre aborto no Brasil


Segunda parte do videodocumentário "Clandestinas" sobre aborto no Brasil


Para ler:

3 comentários:

By: NatyPedretti disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
N.P. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
pf disse...
Este comentário foi removido pelo autor.