quarta-feira, 25 de março de 2009

Crise econômica eleva suicídos no Japão

O portal BBC Brasil noticiou nesta terça-feira que a crise econômica mundial elevou em 15% o número de casos de suicídio no Japão. Segundo o portal, a maior incidência tem se dado entre os demitidos no final do ano passado após o fim do recebimento do seguro-desemprego. Em janeiro foram registrados 2645 casos e para março o número de suicídios entre japoneses devem chegar a níveis críticos.

Leia aqui.

2 comentários:

Peão ultra-pessimista disse...

Atenção a todos!

Durante os últimos dias, um certo "Empresário ultra-otimista" andou anunciando por aqui o "fim da crise" em virtude do saldo de empregos formais do CAGED ter sido positivo em 9 mil vagas no mês de fevereiro...

Acontece que o nosso "otimista" não analisou OS DETALHES do relatório do CAGED de fevereiro!

O relatório detalhado está disponível neste site:

http://estatistica.caged.gov.br

A grande verdade sobre o mês de fevereiro é a que eu vou revelar a seguir:

1) O saldo só foi positivo em 9 mil vagas (um número muito pequeno) porque o setor "Administração Pública" teve um saldo positivo de 14 mil vagas. Ou seja, se não fossem consideradas as demissões e contratações do setor público, o saldo teria sido NEGATIVO.

2) No setor privado, a INDÚSTRIA teve um saldo negativo de 56 mil vagas cortadas, e o COMÉRCIO um saldo negativo de 10 mil vagas. Indústria e comércio, juntos, cortaram portanto 66 mil vagas, que não puderam ser compensadas pelo saldo positivo do setores de Serviços e Construção Civil (que juntos tiveram um saldo positivo de cerca de 60 mil vagas).

Portanto, o CAGED de fevereiro mostra que o setor privado continua em uma dinâmica de diminuição do número de vagas, e que a crise ainda está longe de acabar!

Anônimo disse...

Caro Peao ultra-pessimista

Nao havia visto o seu "protesto" e fiz um protesto no Post acima, onde o tal "Empresario" lhe responde.

Tudo o que voce coloca aqui corresponde a realidade, soh gostaria de acrescentar algumas coisas com relacao ao orgao e a metodologia.

1. O orgao CAGED nao tem a minima credibilidade, pois eh um cabide de empregos montado no Ministerio do Trabalho, a maioria dos funcionarios nao foram admitidos por concuro entram por apadrinhamento, dai talves estas 14 mil vagas geradas no setor publico, talvez sejam no proprio CAGED (rsrsrsrsrs).

2. Lah em cima o "Empresario" me responde dizendo que este orgao nao trata de medir desemprego, e sim para medir a geracao de emprego. Nada mais insano e paradoxal, pois o que o cara estava exaltando era a diferenca entre o "sumico" e "aparicao" de empregos.

3. Como disse lah em cima, deste orgao nao dah para acreditar uma palavra, assim como nao dah para acreditar na palavra do Ministro do Trabalho, muito menos do seu chefe o Lula.

4. A metodologia eh completamente errada, pois se quer fazer a contra entre admissao de demissao deveria acrescer a admissao um percentual de crescimento vegetativo, na metodologia nao tem isto.

5. Nao diferencia admissao para trabalho fixo do temporario, normalmente terceirizado, e quando o emprego eh temporario nao aparece nas demissoes soh aparece na admissao, ai eh facil manipular os dados.

6. Nao existe nenhum tipo de monitoracao dos trabalhadores sobre estes dados, portanto com CERTEZA absoluta, alias como tudo no governo Lula, sao falsos.

7. E ai que esta o perigo, se ateh em orgaos onde eles manipulam nao estao mais conseguindo esconder eh porque a coisa eh bravissima.

Saudacoes Socialistas