sábado, 6 de fevereiro de 2010

O general e a homofobia fardada

homofobia

Nada de se espantar. As forças armadas são reacionárias e pronto. Não é porque o Obama declarou que gays deveriam poder ingressar nas forças armadas estadunidenses que as “filiais” armadas do resto do mundo passariam a refletir sobre seu preconceitos e revê-los. Mas de toda forma vale o arremesso.

O general Raymundo Nonato de Cerqueira Filho declarou na última quarta, dia 3, que “Não é que eu seja contra o homossexual, cada um tem que viver sua vida. Entretanto, a vida militar se reveste de determinadas características que, em meu entender, tipos de atividades que, inclusive em combate, pode não se ajustar ao comportamento desse tipo de indivíduo”.

Ou seja, “nada contra gays, desde que eles fiquem bem longe de mim e do meu exército”. E isso sem falar no “esse tipo de indivíduo” que pelo ar desprezo simplesmente desmonta o “não é que eu seja contra”.

Leia aqui.

3 comentários:

Pedro Lages disse...

Homofobia? Em nenhum momento o Exmo General colocou-se contra os homosexuais e sim postou uma constatação verdadeira, cada um tem o seu lugar no organismo da sociedade, homosexual nas forças armadas não há espaço.

PAREM DE ENXERGAR CHIFRE EM CABEÇA DE CAVALO!

joseias joão de figueredo disse...

SIMPLISMENTE ELE É UM HOMOFÓBICO DE CARTEIRINHA.

Dorothy Lavigne disse...

É realmente homossexual não tem competencia para as FA's. Os militares macedônicos de alexandre Magno que o digam...