quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Às vésperas do carnaval, Embraer demite 20% do seu efetivo

Acabamos de receber a notícia de que a Embraer de São José dos Campo começou há pouco a demitir 2.800 dos seus 14 mil funcionários. A empresa começou a avisar os trabalhadores na saída do turno, por volta das 15h30.

Segundo um operário que está na fábrica neste momento, há suspeitas de que outros trabalhadores serão demitidos durante o feriado.

O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região já estava alerta e avisou os trabalhadores assim que os boatos começaram a correr. A entidade chegou a protocolar um pedido de reunião com a diretoria da empresa em caráter de urgência para evitar as demissões.

Vamos à luta! Os trabalhadores não podem permitir este ataque brutal. Que os acionistas milionários da Embraer paguem pela crise. Que usem a fortuna acumulada em lucros desde a privatização para manter todos os trabalhadores.

Cancelamento das demissões da Embraer já!
Reintegração dos demitidos!
Estabilidade no emprego!
Reestatização da Embraer!



Assim que tivermos novas informações, publicaremos aqui e no Portal. Acompanhe.

3 comentários:

Anônimo disse...

Belo feriado iremos passar... e o pior é que mantem ainda um número elevado de aposentados, principalmente com salários altos, e ainda dizem que é para contenção de despesa.Fica aqui minha solidariedade aos demitidos.

Helena disse...

É um ato covarde e desumano, este de usar às vesperas de um feriado para demitir, sendo que quem deveria estar fora continua mamando as tetas da Embraer, como os aposentados que tem um alto salário e ainda fazem as listas para que trabalhadores sejam despejados. Espero que consigam colocar a cabeça no travesseiro e durma, pois eu não conseguiria...

Anônimo disse...

como militante da CS, participei (apoiei) a primeira greve na Embraer, fizemos piquetes e começamos a parar a planta de madrugada, naquela época ainda existia a questão do entorno da fabrica ser área de segurança nacional, ha ha ha coisa dos militares, da ditadura,e para complicar mais, o pres. da empresa nada mais era do que o Sr. Ozyres, militar linha dura, ligado ao grupo do Médici.
O sindicato tem que propor a ocupação da fábrica de S.josé, pra começar, depois ir ao Lula, dinheiro público não é para financiar demissões, depois começar a luta pela re-estatização da Embraer.
Solidariedade total aos demitidos e suas famílias.